Imprimir
III Congreso Internacional Historia a Debate Santiago de Compostela

IV Congreso Internacional Historia a Debate
Santiago de Compostela, 15-19 de diciembre de 2010

Dirección

 


 Ponencias aceptadas

Mesa J. Historia académica y ficción histórica

Autor

Patrícia Santos Hansen (Fundação Getúlio Vargas, Brasil)

Título

História para crianças e para o povo. Historiografia, ficção histórica, ensino de história e literatura cívico-pedagógica no Brasil do século XX ao XXI.

Resumen

Nas últimas duas décadas a produção de livros que abordam temas históricos vem aumentando progressivamente no Brasil. Tal fenômeno tem chamado a atenção da mídia particularmente por estarem estes livros aparecendo com destaque nas listas dos mais vendidos dentro da categoria "não-ficção", ultrapassando aqueles que até bem pouco tempo possuíam hegemonia incontestável, os livros de auto-ajuda.

A mídia mal informada exalta o "pioneirismo" e a "originalidade" dos autores que na década de 1990 descobriram esse filão do mercado, o dos livros de história classificados como divulgação científica, direcionados ao grande público, escritos numa linguagem mais acessível e apelando para estratégias literárias específicas visando a sedução do seu leitor-alvo. Apesar disso, esse gênero foi explorado por vários autores, historiadores ou não, experimentando ou não a utilização de elementos narrativos ficcionais que tornassem seu texto mais atraente para leitores menos doutos ou experientes, os quais na primeira metade do século XX costumavam ser designados como as "crianças" e "os homens do povo".

Sem pretender discutir o valor ou a qualidade desta produção heterogênea o objetivo desta reflexão é buscar elementos que ajudem a pensar os limites entre ficção e não-ficção em textos de divulgação científica e em alguns livros escolares, analisando alguns momentos desta relação, sempre delicada, entre historiadores e produtores culturais não especializados e nos diferentes usos que fazem da história.