Imprimir
HISTORIA A DEBATE

Tema 10

 

FERNANDO ESTEBAN DO VALLE

Rede Municipal de Niterói, Brasil

 

HISTORIA A DEBATE

SEÇÃO TEMÁTICA: "QUE HISTORIA VAMOS ENSENHAR EN EL NUEVO SIGLO?"

TRABALHO: PASSAGEIROS DO TEMPO: HORIZONTES DO ENSINO DE HISTÓRIA

 

 

RESUMO

 

 

A nossa pesquisa se dedicou, de uma maneira geral, à investigação dos problemas enfrentados pelo ensino de História. Partimos do princípio de que é necessário responder, no dia a dia, "os problemas resultantes da prática letiva" e - principalmente - que as respostas são fruto da prática coletiva. Tal perspectiva passa por uma discussão da escola, suas práticas institucionais e pedagógicas; por outro lado envolve a definição do conceito de História, seja na esfera escolar, seja na acadêmica. Justamente aí reside o problema que desejamos discutir mais a fundo: por quê os alunos têm tanta dificuldade em compreender as correlação entre os diferentes processos históricos? Esse fato é bem ilustrado pelas palavras de Rodrigo, aluno de 3ª. série do ensino médio de uma escola particular de Niterói: " o que eu não consigo é juntar uma coisa com a outra". No nosso entendimento, esta dificuldade está diretamente relacionada com a incompreensão do conceito de tempo histórico - que nem sempre é de fácil compreensão - pois é aquele que se situa além da cronologia e que se define em função dos processos sociais. Essa é a principal ferramenta do historiador: o tempo que não apenas mede, mas que problematiza e explica. Não podemos perder de vista que muitos destes problemas didáticos estão relacionados com a organização e os princípios gerais de nosso sistema educacional, onde o conteúdo programático estava comprometido com a História da elite política do país. A partir dos anos 80, com a redemocratização é que começamos a ter a possibilidade de dar início a um debate aberto sobre os problemas nacionais, fato que desemboca numa revisão daquela perspectiva e na elaboração de novas propostas, que - passados todos esses anos - já começam a dar bons frutos. Mas, em nossa disciplina especificamente, ainda permanecem resquícios desta história episódica e repetitiva, porque ainda trabalhamos com um tempo absoluto e linear, mantendo a perspectiva de presente/passado/futuro, que empobrece as relações de causalidade existentes entre os diversos processos históricos. Por isso, pretendemos somar esforços com aqueles que procuram realizar uma prática educativa comprometida com a mudança social - principalmente das classes populares - no âmbito da escola pública.