Imprimir
Tema 6

Tema 6

 

 

PROFA. DRA. PAULA CALEFFI

Univ. do Vale do Rio dos Sinos, Brasil

 

 

REFLEXÕES TEÓRICAS PARA A CONSTRUÇÃO DE UMA HISTÓRIA DAS SOCIEDADES SEM ESCRITA

 

RESUMO

A construção da disciplina histórica tradicionalmente privilegiou, em seus estudos, as sociedades com escrita, em detrimento do estudo de distintas sociedades com culturas orais, ao ponto de chegar-se a cogitar que estas últimas seriam sociedades desprovidas de história e de historicidade, sociedades estáticas, que seriam mais bem estudadas pela antropologia.

De acordo com a atual conformação mundial, e pelo que parece delinear-se para o próximo milênio, as ordens sociais com diferentes culturas tomam um rumo de afirmação cada vez mais amplo. Neste processo incluímos as sociedades nativas americanas; sociedades em sua maioria, desprovidas de escrita, mas com certeza, com história e sensos de historicidades próprios que estão por serem estudados.

Assim acreditamos que os historiadores devam discutir seriamente as teorias e metodologias que envolvem a construção das histórias de sociedades distintas da ocidental e sem escrita.

Como afirma Le Goff, "a história, se tem como etapa decisiva a escrita, não é anulada por ela, pois não existe sociedade sem história"(1992:53).

Buscamos, então, no presente trabalho, estabelecer questões de caráter teórico metodológico que julgamos importantes para uma maior reflexão e discussão, por parte dos historiadores, sobre a construção das histórias de sociedades sem escrita.

Os pontos por nós levantados são básicamente três; a) a possibilidade, de através de uma metodologia adequada, aqui sugerida por nós, utilizarmos os mitos, bem como a atualização dos mesmos, nas sociedades sem escrita, como fonte histórica; b) os problemas enfrentados na aplicação da metodologia de história oral em culturas distintas da cultura ocidental, como por exemplo nas culturas originárias americanas. C) E por fim uma crítica ao termo e a classificação de "etnohistória", e a possível utilização do mesmo como designação de um método específico aplicado a um determinado tipo de fontes.