Imprimir
MESA H

MESA H

Historia, empleo y relevo generacional

Maria Fátima Félix Rosar (Universidad de Maranhao)

Considerando-se que a história da humanidade pode ser considerada a história do trabalho humano, coloca-se diante de nós, no final do século XX, um quadro cada vez mais ampliado de desemprego e do ócio, sem que essas categorias possam representar uma situação que seja benéfica para a maioria dos cidadãos de todos os continentes que se encontram fora do mercado de trabalho formal.

Realizou-se um processo de desenvolvimento diferenciado e desigual entre os cidadãos de todos os países em todos os continentes, sob a égide do capitalismo, de tal modo que se pode identificar diferentes categorias de trabalhadores manuais e intelectuais ~, de desempregados, criando-se assim uma tensão entre dois grandes segmentos sociais que atinge a organização sindical em grandes proporções.

Durante a concretização do Projeto de Welfare State foi se realizando um processo de "flexibilização" dos sectores sindicais alinhados no campo da esquerda, considerando-se que existiam ganhos efetivos da classe trabalhadora em termos do atendimento de suas necessidades, bis como : educação e saúde públicas de qualidade, acesso aos programas -M habitação popular e aos bens materiais e culturais básicos.

A progressiva substituição dos projetos sociais pelos projetos econômicos configurados no seio do neoliberalismo, foram introduzindo na maioria dos países da Europa e da América os novos áocípios de convivência social, reiterando a predominância do capital sobre os trabalhadores, que vivem na atualidade uma conjuntura que lhes constrange à uma posição de subserviência diante do "patrão", (conceito genérico para falar dos capitalistas).

Antes, há três décadas atrás, o trabalhador lutava para escapar do controle do capital, do processo de exploraÇao da linha de produção, entretanto, nos dias de hoje ele está se submetendo a toda sorte de sacrifício para conseguir pelo menos um posto de trabalho, mesmo que seja para ser explorado.

A partir desses pressupostos, pergunta-se que elementos impedem o avanço da organização sindical nesta conjuntura.