Debates


Colonización y perdón de España

 
É verdade que não podemos culpabilizar os actuais cidadãos europeus das chacinas, dos genocídios, da rapina que os seus antepassados efectuaram pela América, por África e, porque não, pela Ásia. Enquanto português, não me podem atribuir responsabilidades pelo facto de Vasco da Gama ter saído de Calecute com um bombardeamento "fraternal" da cidade. Tudo isso é verdade, mas não é descansando as consciências que olvidamos que o actual nível de vida da Europa, assenta nesses genocídios e nessa rapina e se não foram os actuais europeus que lhe deram origem, não é menos verdade que actualmente pouco ou nada fazem para que os povos desses continentes recuperem de uma ou outra forma o desenvolvimento que lhes foi e continua a ser negado. Não chega assimilar o passado. É também necessário que viver o presente, e sobretudo programar o futuro, não seja de alguma forma, continuar com os princípios do passado. A análise da história deve servir para algo mais do que belas dissertações, deve ajudar-nos a corrigir as assimetrias e a não insistir em acções de conquista que alteraram e adulteraram a história desses povos e dessas nações. Gabriel Garcia Marquez num dos seus romances colocou na boca de Símon Bolívar a frase dirigida aos europeus, "deixem-nos viver a nossa idade média em paz". Os europeus tardam em assimilar tal conceito.

Alcino Silva
Licenciado em História
Universidade do Porto
Portugal