Imprimir
III Congreso Internacional Historia a Debate Santiago de Compostela

IV Congreso Internacional Historia a Debate
Santiago de Compostela, 15-19 de diciembre de 2010

Dirección

 


 Ponencias aceptadas

Sección II. 4. Redes y tendencias actuales

Autor

Cristina Martínez (Universidad de Santiago de Compostela)

Título

Possibilidades da Análise de Redes Sociais para a renovaçom do discurso historiográfico

Resumen

Partindo dumha proposta interdisciplinar e das próprias virtualidades que a asumida crise da História abre, esta comunicaçom pretende aprofundar nas características e possibilidades colocadas pola técnica sociológica conhecida como «Análise de Redes Sociais» (ARS) -incorporada nos últimos anos por múltiplos núcleos de estudo vinculados a áreas científicas diversas- para umha nova focagem dos estudos históricos. A condiçom relacional -e conseqüentemente reticular- da vida humana, explicitada nos últimos lustros com as novas tecnologias, encontra na ARS um mecanismo válido de análise que, em maior ou menor medida, tem sido invocado também por historiadores, tal e como manifesta a linha de pesquisa do investigador basco Imízcoz Beunza, quem aposta pola análise indutiva da sociedade a partir da focagem dos actores sociais no que se pretende constitua umha ‘História (mais) global’.

A intençom desta exposiçom é deter-se em diferentes aspectos que explicitam a natureza da ARS e justificam o seu auge desde a reformulaçom das aproximaçons sociológicas clássicas -nomeadamente no relativo à focagem dos atributos e da estrutura organizacional-, até o incremento de suporte tecnológico para a sua aplicaçom e sua consolidaçom internacional, sem fugir dos debates sobre a sua condiçom disciplinar, onde se oscila entre a sua definiçom como paradigma ou método auxiliar. A perspectiva agencial que sustenta a ARS e que baseia a sua força na abertura da noçom de 'rede' (intelectual, científica, académica, etc) -concebida como o conjunto de relaçons estabelecidas, no seio dum espaço cultural e social dado, entre actores, grupos e instituiçons que asseguram a unidade e coerência deste espaço- encontra no trabalho com dados empíricos a sua base, polo que também serám explicitados aqui as características e limites da recolha, especialmente desde umha óptica historiográfica.

Por último, serám igualmente objecto de abordagem nesta intervençom alguns conceitos chave vinculados e derivados da ARS como os de 'capital social e relacional' ou, directamente relacionado com os discursos na disciplina da História, a noçom de 'centralidade externa ou heterogénea', introduzida para o caso da literatura (mas trasladável a outros ámbitos) polo investigador Michel Lacroix e com os que pretende pôr de relevo figuras centrais num colectivo a diferentes níveis e que ficárom, porém, fora da História literária tradicional em virtude de nom tratar-se de produtoras/es literárias ou nom ser este o ponto fundamental da sua actividade.